14 coisas que viajar vai lhe ensinar

Cada vez que eu encontro uma pessoa que está pensando em fazer intercâmbio mas está preso na dúvida por medo do que possa acontecer, dou-lhe o mesmo conselho: “feche os olhos e vai! Você não sabe quanto isto vai mudar sua vida”. Fazer intercâmbio ou viajar é como pular de paraquedas. É completamente apavorante e empolgante ao mesmo tempo, não se pode pensar muito, tem que pular e aproveitar enquanto dura o voo.

Esta publicação vai lhe mostrar as coisas que eu aprendi e que talvez você precisa saber para tomar coragem e fazer aquele intercâmbio ou viagem que tanto pensou em fazer.

Viajar pode mudar sua vida e você tem que ir, mesmo morrendo de medo. Ao final da viagem você verá que o balanço é sempre positivo e já terá dado o primeiro passo para o que será uma longa caminhada.

Eis aqui o meu aprendizado:

1. Novos hábitos

Viajar nos tira da nossa zona de conforto. O principal motivo pelo qual você tem que viajar é este. Ao sair dela, você será exposto a um numero X de experiências diferentes. Quando tudo o que você vê a seu ao redor é diferente, você começa a reavaliar aquilo que já conhece, e começa a descartar aquilo que não lhe faz bem. Aproveite e deixe que as boas influências do mundo acrescentem à sua vida.

2. Menos é Mais

Os aeroportos têm ensinado rapidamente esta importante lição, pois de uma hora para outra você terá que empacotar toda sua vida numa mala de 23 ou 32 Kg, dependendo o destino. Desse jeito você aprenderá a viajar leve e a investir em experiências de vida e não em coisas materiais, pois chegará um ponto em que não poderá carrega-las, literalmente. A única coisa que compro nas minhas viagens são cartões postais dos lugares que visito. Com cada viagem eles vão me acompanhando e aumentando em número. Então, lembre, não leve nada que não possa carregar no seu próprio corpo. Simplifique sua vida. Carregando menos peso você chegara mais longe. Aliás, ninguém pode tirar de você as coisas que você já viveu.

3. O momento presente

Tomar riscos e se aventurar nunca serão um problema de novo. Quando se viaja não se têm tempo para perder ou pensar duas vezes.  Você aprenderá a tomar as oportunidades do jeito que elas vêm. Como se diz: é melhor se arrepender do que fizemos e não ficar na dúvida do que poderia ter acontecido.

Sempre me faço algumas perguntas: o que é o pior que poderia acontecer? Quando terei a oportunidade de viver uma experiência igual? A relação custo-benefício é favorável?

Respondendo essas perguntas você se dará conta que não têm nada a perder mesmo. Em troca vai ganhar autoconfiança e experiência de vida. Um tipo de aprendizado que dificilmente vai achar dentro de uma sala de aula.

4. A timidez

Quando você está fora, sozinho, se verá forçado a falar com desconhecidos. Seja para pedir indicações de como chegar ao seu hotel ou onde pegar um ônibus. Terá que interagir com novos colegas de turma, professores, colegas de quarto, etc. Você aprenderá a comunicar-se até sem palavras. No final, ninguém vai morder você. Pelo contrario, você poderá encontrar novos amigos. Como se diz: os desconhecidos são amigos que ainda não conhecemos.  Então não rejeite nenhum convite, você nunca sabe que nova pessoa está esperando para entrar na sua vida no momento menos esperado.

5. Resolvendo problemas

Quando você está em um país que não fala sua língua, não conhece ninguém e está a muitos quilômetros de casa, depende de você resolver seus problemas da melhor e mais rápida forma. Talvez você não vire MacGyver dum dia pra outro, mas é uma habilidade que se desenvolve com o tempo e lhe dará a importante sensação de independência que todos nós precisamos para afrontar o mundo.

6. O estático

Em algum ponto da nossa vida acreditamos que todo permanecerá igual para sempre, estático. Aplicamos essa regra para tudo: nossos melhores amigos, nosso namorado, nossa profissão, nossa família, etc. Viajar ensina a você, ora de um soco ora não, que nada dura para sempre.  Nem a viagem que você se embarcou, nem os novos amigos que você fez, nem as experiências vividas. A vida muda constantemente e viajando você vai começar a mudar mais rápido (espere para voltar para casa e verá). Aceite esse fato e não se aferre a nada, aproveite cada momento como se fosse o ultimo, pois talvez seja.

7.  Você mesmo

Viajar lhe dará muito tempo a sós com você mesmo. Você aprenderá a diferença entre solidão e solitude. Você aprenderá mais de você numa viagem de 20 dias do que em um ano de terapia. Coisas tão simples como descobrir que você gostava sim de verduras, só que precisava comer elas de uma forma diferente, ou tão importantes como que seus princípios e as coisas nas que você acredita talvez estejam erradas. Acredite em mim, todas elas começaram a ser reavaliadas. Permita que as novas informações, tradições, costumes, crenças, emoções, etc. entrem em você. Você vai se surpreender com as coisas que você ignorava de si mesmo.

8. Saudade e solidão não matam

Estar sozinho e morrer de saudades da sua família e amigos, parece a menor das suas preocupações quando você realmente se entrega à  liberdade que oferece viajar. Você verá que são mais os momentos que marcaram sua vida positivamente, os novos amigos e laços que criará, as novas paisagens que encherão sua alma do que a saudade de estar longe de casa. Pode confiar.  Além disso, pense que sua família e amigos estarão aí, esperando você, quando voltar. Você vai ver como começará aproveitar sua viagem, no momento que entenda isso.

9. O Medo

Ter medo do desconhecido é uma situação adaptativa de sobrevivência, completamente normal. Então se você tem medo de viajar, fique tranquilo não é a única pessoa. Eu pessoalmente morro de medo cada vez que vou morar em outro país. Mas não pode ser o medo quem tome suas decisões, ele pode estar presente, mas não pode ser maior do que a empolgação de estar se embarcando em uma nova aventura. Viajar lhe ensinará a controlar seu medo. Com o tempo você descobre que seus medos não têm fundamento nenhum e que na sua cabeça todo sempre vai parecer pior do que realmente é. Mas você só irá descobri isso indo lá e vendo com seus próprios olhos.  Então, feche os olhos e pule. O mundo está esperando por você, assim desse jeito, tremendo e tudo mais.

10. Organização e planejamento

Planejar viagens, escalas, chegadas, rotas de ônibus, horários de atendimento, horários de check-in e check-out, cronogramas, etc. começarão a ser parte da sua rotina. Com isso você adquirirá uma capacidade de organização e planejamento que qualquer mãe de um pré-adolescente adoraria ver em seu filho. Isso se você quiser. Também existe a possibilidade de você ser o viajante estabanado que vai rodando pelo mundo sem planejamento nenhum. Não é meu caso, e também não estou dizendo que uma forma seja melhor que a outra. Mas com certeza um dia destes vocês perceberá que outros aspectos da sua vida se organizaram melhor após sua viagem.

11. Suas raízes

Ficar longe de casa pode ser uma forma de se conectar com suas raízes. Sempre virão as perguntas de seus novos amigos curiosos. Quantos habitantes têm seu país, a Sua cidade? Porque seu país não tem estações? Mas porque faz frio então? Como se diz tal palavra em espanhol, e de onde vem essa palavra? O que significa tal expressão? Quais são as danças típicas, os cantores, escritores, poetas mais representativos? Como funciona o transporte público? A política, a economia? Porque seu país é assim ou assado? Você começara a ir atrás de informações que estando em casa talvez não tivessem tanta importância.  Você vai redescobrir seu próprio país e sua própria cultura enquanto descobre uma nova.

12.  A Vida sem você

Quando você volta para casa depois de um ano morando fora, a expectativa é gigante. Você espera que todos seus amigos estejam no aeroporto recebendo você e querendo saber da sua viagem. Mas ao chegar encontrará alguns membros da sua família e um que outro amigo. Nesse exato momento, você entende que a vida continua, mesmo sem você. Seus amigos conseguiram novos empregos e agora não tem mais tempo para tomar um café com você, alguns casaram e tiveram filhos, ou também foram viajar pelo mundo.

Viajar dá um golpe baixo no seu ego, um golpe muito importante. Pois você entende que você é uma minúscula parte dentro dum universo e que você é tão importante quanto todas as pessoas que fazem parte dele.

13. Da mudança e da adaptação

Toda mudança é positiva, por mais difícil que ela seja. Isto se aplica para tudo na vida. Também é a mais difícil de entender. Pois quando enfrentamos situações de mudança drástica, repentina ou difícil, vemos nosso mundo cair a nossos pés. É difícil ver o lado positivo da situação e parece que nunca sairemos da fossa.

Viajar é uma situação especial, pois deixa você num estado de vulnerabilidade e exposto a mudanças repentinas o tempo todo, mas isto lhe ensinará a adapta-se facilmente. Você aprende que com o tempo toda situação desfavorável vira-se uma nova oportunidade para estar cada vez melhor. Atrás de cada momento negativo que já passei durante minhas viagens veio um momento ainda melhor. Claro, na hora é difícil pensar que algo bom virá, mas seja paciente, tente manter a calma, pois momentos difíceis sempre estarão presentes. Grave isso na sua cabeça: toda mudança é sempre para estar melhor, mesmo que assim não pareça.

14. O poder

Após de ter percorrido os cantos do mundo, se virado sozinho nas situações mais bizarras, solucionado problemas por sua conta, se comunicado numa língua pacata e de sinais com muitas pessoas desconhecidas na rua, caminhado dias e noites pelas ruas duma cidade sem se perder, criado uma nova “família” em cada lugar, aprendido novas línguas, tradições, ritos e culturas, você vai sentir que nada poderá detê-lo. E é assim mesmo. Viajar ensina que você tem o poder de conseguir tudo que deseja. Você só precisa ter determinação e um pouco de coragem, pois não tem nada no mundo que possa ser pior do que ficar preso em quatro paredes. Então, faça um acordo com seu medo, feche os olhos, abra a porta e pule! Quando você fizer isso, me escreva e me conte como foi a sensação.

Cristian Figueroa

Versión en español

English Post

Anúncios